Paris: Guia para aproveitar a cidade – parte 4

Uma coisa que eu esqueci de explicar sobre Paris são duas expressões: “sur place”(no lugar) e “emporter” (pra levar). Muitos restaurantes, cafés ou salons de thé (Salão de chá – uma instituição francesa, um lugar onde você toma chá, café, come um bolinho e muitas vezes também serve almoço) vão ter preços diferentes (sempre mais barato, é claro) caso você leve a comida para comer em casa/hotel.

Outra informação útil, na maioria dos restaurantes não se cobra taxa de serviço (os famosos 10%), na verdade o valor do serviço está incluso no preço que a gente vê nas placas ou no menu do restaurante (sempre exposto do lado de fora). Por isso também a diferença entre os preços “sur place” e “à emporter”.

E a lista de lugares bacanas para comer ou ao menos olhar a vitrine em Paris continua:

Deux moulins

15 rue lepic – Paris – 18eme arrondissement

Quem nunca assistiu “Amélie Poulain” que atire o primeiro croissant. Fomos ao Deux Moulins apenas para conferir de perto o espaço onde foi filmado esse filme que dá muita vontade de conhecer Paris.

E não é um lugar caro, à noite até às 22h os drinks têm desconto (e os nomes dos drinks são muito divertidos!) e mesmo os pratos têm um preço aceitável (12 euros pelo steak-salada-fritas) por ser um ponto turístico.

Pistacherie

67 rue Rambuteau – Paris – 4 eme arrondissement

A Pistacherie foi uma surpresa agradável no caminho para o Centre Georges Pompidou. Eles têm todo tipo de nozes, vendem por quilo e também tem essas embalagens muito bonitinhas.

Experimentei uma amêndoa defumada, era realmente diferente. Para quem gosta de petiscos para acompanhar a cerveja vale super a pena.

E no Centro Georges Pompidou  é possível ver a cidade de cima subindo por suas escadas rolantes externas.

No terraço do 6º andar desse espaço cultural há um restaurante, mas era totalmente fora do meu orçamento.

Falafel

No bairro do Marais você vai encontrar casas tradicionais de falafel (bolinho feito de grão de bico frito servido num pão sírio com bastante salada dentro também), e também existem vários Maoz espalhados pela cidade. É um meio leve e barato de se alimentar.

Eu não lembrei de tirar a foto do lanche e só depois descobri que é uma rede americana, o detalhe é que fui levada ao Maoz da foto por uma americana =P

Starbucks

Por todos os lados em Paris se vê uma loja da Starbucks, a impressão que se tem é eles dominaram a cidade.  Eu não acho que vale a visita, afinal não é um estabelecimento francês, mas pode ser uma opção, porque nas boulangeries (padarias) francesas nem sempre são servidos cafés, e quase nunca existem mesas, então é entrar, pegar o croissant e sair.

Já no Starbucks você pode sentar, usar o wifi, tomar o café em paz. E eu experimentei o chocolate viennois (3,60 euros) e tava muito bom e num outro dia tentei o cappuccino numa padaria e me arrependi…

Mas se você quer mesmo ir numa padaria francesa para tomar um café com croissant, sugiro algumas redes que têm lojas pela cidade, algumas delas com “espaço cliente” e aquelas diferenças de preço para comer sentadinho dentro da loja que já expliquei no início do post. São as redes Paul , La mie câline e Brioche dorée e você não vai ter dificuldade em encontrá-las pela cidade.

Biscuiterie de Montmartre

16 Rue Norvins – Paris – 18 eme arrondissement

Um dos melhores lugares para comprar um presentinho, eu não só comprei porque ainda demoro para voltar ao Brasil. Lá tem biscoitos amanteigados, que vem em  latas de biscoito lindas – com fotos da Basílica de Montmartre, e também macarons e caramelos.

E próximo da Biscuiterie está a Place du tertre, onde  você encontra muita agitação; tem vários restaurantes, lojinhas de souvenirs, artistas que desenham os turistas, uma galeria em que pode ver quadros do Dali de graça, tudo isso ao lado da Basílica de Montmartre.

5 Comentários

  1. Monica
    novembro 16, 2011 at 6:30 pm (11 anos ago)

    Olá, Jaci!
    Eu vou à Paris em breve e ouvi dizer que os garçons são meio mal educados, isso é verdade? Eu já não falo francês… Vai ser um problema ou é noia?
    beijo.

  2. Jaci
    novembro 16, 2011 at 6:56 pm (11 anos ago)

    Olá, Monica,

    Não tive problema com nenhum garçom, alguns são mais secos mesmo, mas não chegam a ser mal educados. Precisamos lembrar que eles têm hábitos muito diferentes dos nossos.

    Não falar a língua francesa atrapalha um pouco, mas nos pontos turísticos as pessoas falam inglês.

    Te aconselho a aprender Bom dia (bonjour), Boa noite (bonsoir) e obrigado (merci) em francês e sempre dizer isso ao entrar e sair de uma loja ou restaurante. Toda palavra de cortesia que você puder aprender ajuda. Faça uma aula de francês ou entre no google tradutor que ele “fala” as palavras pra você.

    No metro de Paris tem uma frase que explica um pouco a cidade, algo como “bom dia atrai bom dia”, é isso, seja simpática e gentil que as pessoas serão também com você. =)

    abraço

  3. Monica
    novembro 17, 2011 at 4:04 pm (11 anos ago)

    Aah, muito obrigada pelas dicas! Vou tentar sim aprender uns básicos… =)

    p.s.: Seus posts estão ótimos! Estou adorando!

    😉

  4. Jaci
    novembro 17, 2011 at 4:24 pm (11 anos ago)

    Que ótimo, Monica! Muito obrigada e espero que você aproveite muito a Cidade Luz!

1Pingbacks & Trackbacks on Paris: Guia para aproveitar a cidade – parte 4

  1. […] lendo as dicas de Paris: Parte 2, Parte 3, Parte 4 e Parte 5. bb_keywords = "quartier latin"; bb_bid = ""; bb_lang = ""; bb_name = […]

Deixe um comentário