Author Archive

Bar do Jiquitaia

jiquitaia-hamburguer-porco

Obs: post para maiores de 18 anos

Vocês já devem ter lido o texto que falo do restaurante do Jiquitaia. Dessa vez, escrevo sobre o bar de Marcelo Corrêa Bastos e sua irmã, Nina Corrêa Bastos, responsável pelos drinks da casa.

É possível encontrar sanduíches e porções para petiscar, diga-se de passagem, petiscos fora do comum. Talvez o mais parecido com a comida de boteco tradicional é o jiló frito e torresmo. Diga-se de passagem, alguns elementos mineiros muito bem executados em solo paulistano, coisa difícil de se achar por aqui!

O que pedir no Bar do Jiquitaia?

Entre as ruas próximas da Paulista, Frei Caneca e Augusta, lado centro, é possível ter uma bela experiência gastronômica. No local, o térreo é responsável pelo restaurante e ao subir as escadas é possível visualizar uma sala com mesa compartilhada e um pequeno balcão.

No cardápio, oferecem finger food como o excelente jiló frito e o saboroso hamburguer de porco. É o tipo de combinação que se lambe os beiços e um sonho meu seria ter esse tipo de comida vendida a larga escala, feito combo do Mcdonald’s! Certamente comeria sem titubear!

jiquitaia-hamburguer-porco

Para bebericar, recomendo o drink Jerezana, que começa amargo, depois cítrico e termina doce, nunca tomei algo tão surpreendente! Não sou especialista de drinks, mas confesso que foi um privilégio experimentá-lo!

Cheers #jerezana #boulevardier #gineit #jiquitaia

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

O Negroni da casa é mais saboroso que o Boulevadier, e recomendo para paladares como o meu que adoram amargo. Robusto, seco e um drink digno da vida adulta amarga.

Negroni ❤️ #negroni #mixology #jiquitaia #jiquitaiarestaurante #drink #saopaulo #sp

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

Se quer algo mais doce e leve, vá com o drink entitulado Detox. Esse não tem couve e não tem nada de #NoPainNoGain. É só amor, de verdade! Bem leve, delicado e saboroso.

Uma outra pedida para paladares favoráveis ao doce, a excelente cerveja Gasoline Soul da Morada Etílica. Mesmo quem não gosta de cerveja, vai curtir essa:

Gasoline soul.❤️❤️❤️❤️ #jiquitaia #gasolinesoul

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

Aviso de antemão que pelo bar ser pequeno, com capacidade para cerca de 20 pessoas, recomendo chegar cedo. Mas, caso deseje um local mais tranquilo, desça as escadas. É permitido pedir o cardápio do bar no térreo do restaurante. Entretanto, o contrário já não é possível.

Fui em um aniversário e o comentário de adultos jovens é que o local era muito mais perfil de senhores e famílias, não muito adequado para celebrar em grupo. Entendo esse ponto de vista pois para quem não conhece e está acostumado a frequentar aniversários em bares ou balada, pode achar um local estranho para se festejar. Mas, posso falar? Nada como qualidade, boa conversa e excelente companhia…faz qualquer noite ficar mais animada comparada a uma balada-cara-com-gente-mal-educada-e-pessoas-que-te-empurram.

Por favor, menos carão e mais sinceridade! E para mim, o Jiqui (íntima) é um dos locais mais sinceros de São Paulo. Você investe (sim, porque comida gostosa é investimento!), e, sai feliz!

Contato

Jiquitaia
Rua Antonio Carlos, 268. CEP: 01309-010
Telefone: (11) 3262-2366
Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta das 12h às 15h
Terça à Sexta das 19h às 23h30
Sábado das 12h às 23h30

Peppino Bar: Excelente Executivo

cucciolone-peppino-bar-aventuras-gastronomicas-romy-arita

Se procura uma opção bacana para almoço executivo no Itaim Bibi, recomendo de olhos fechados o Peppino Bar. Além de bebidinhas à tarde ou à noite, vale a pena uma visita ao cardápio do almoço, que vai do 12:00 às 15:00.

Sobre o ambiente

Por se tratar de um ambiente mais casual, com banquetas de madeira, espaço médio – não cabe muitas pessoas e não possui cadeiras ultra confortáveis – vale quebrar um pouco o gelo corporativo do bairro e ter a chance de provar a cozinha de alta qualidade. O chef Rodolfo di Santis, do também premiado Nino Cucina é responsável pelas delícias.

Nossa experiência

Fui com minha chefe em uma sexta, 12:30 e queríamos algo para acalentar coração, fome e diminuir o stress. Precisávamos de um carinho que uma boa refeição poderia oferecer. Para minha surpresa, não havia fila.

Entramos contentes e atentas ao ambiente moderninho, com cara de Pinheiros e nada tradicional encontrado no bairro do Itaim Bibi. O público? Um pouco de tudo, nós, meras mortais curiosas, engravatados executivos, madames enfeitadas e jovens adultos descolados.

Pedimos então o menu, que dá direito a escolher uma carne e um acompanhamento. Ela foi de bife a cavalo (que confesso que babei de ver de tão bonito que era) acompanhado de polenta e eu fui de galeto com abobrinha assada. As carnes estavam bem executadas, no caso do bife, perguntaram o ponto de preferência, detalhe que acho essencial para um bom atendimento em qualquer restaurante que se preze. Uma curiosidade: na casa, havia um grande forno, bonito e bem grande. Acredito que grande parte das comidinhas são forneria das boas e pretendo retornar com calma no happy hour.

Compartilhamos no instagram @comidinhas e o Peppino compartilhou, olha que legal:

Por volta de R$40 você come excelente comida, alto padrão e muito saborosa. Novamente, diferente de muito lugar no Itaim (tipo o Side que dá carne sem perguntar o ponto e vem MUITO passada e decepciona pelo custo benefício) que é lindo, sofisticado ou descolado, mas tem comida de se questionar.

Os utensílios como pratos são bem rústicos, o que dá um charme com a madeira do bar, com itens bem caseiros. Comida feita com coração, uma delícia e recomendo de olhos fechados!

Depois disso fomos com uma sobremesa que nos encantou. Doçura na medida, doce fino, italianíssimo, com ingredientes que fazem a diferença. Pela apresentação e o cuidado dele, já é um charme! O cucciolone, resumidamente um sanduíche de bolachinha com amêndoas, um pouco amanteigada ao meu ver, leve com sorvete de creme de recheio e uma saborosa calda de chocolate, fina, leve, carinhosamente colocada pelo cliente…foi de uma finesse… mas é de perder a pose e a vontade é de limpar o prato! #soudessas

cucciolone-peppino-bar-aventuras-gastronomicas-romy-arita

Portanto, confira sim o excelente almoço quando tiver oportunidade, vale a visita ao Peppino Bar!

Endereço e contato

Peppino Bar

Seg a Sex: 12h as 15h (almoço) 18h as 02h (noite)
Sab: 13h as 02h (integral)
Domingo : Fechado

Rua João Cachoeira, 175,
Itaim Bibi – São Paulo – SP

 

Litoral Norte de SP: Barra do Sahy, Cambury e Boiçucanga

taioba-pf-do-dia-aventuras-gastronomicas-romy-arita

Depois de 3 feriados in a row, venho aqui com algumas dicas de locais que já conhecia e fui pingando pelo litoral paulista. São Sebastião possui várias praias, e logo ali, um pouco depois da Riviera – à esquerda – é possível encontrar mar de águas claras, clima caiçara alegre que nem parece o estilo cinza do paulista. Nas roupas, alegria, na decoração e arquitetura em geral, aconchego. Gosto muito mais do litoral norte comparado ao litoral sul (Sorry, Santos), e comento aqui um pouco das minhas impressões.

Começo dos que vieram pela estrada Mogi das Cruzes-Litoral, e começo pela Barra do Sahy. Praia com algumas barraquinhas (sem quiosques), areia fofa e mar bravo. É possível se hospedar por lá em pousadinhas charmosas. A que fiquei, em quesitos gastronômicos – vide café da manhã – não recomendo. Mas, pela vizinhança, você encontra a charmosa pousada e restaurante Tiê. Dei uma olhadinha nos quartos, e caso volte para a Barra do Sahy, certamente. Uma dica esperta: para quem se hospedar nela, tem desconto no restaurante.

Restaurante Tiê na Barra do Sahy

Como postado em nosso Instagram, conheci o restaurante Tiê andando pela região. Gostoso, com clima sofisticado e de muito bom gosto. Achei caro, confesso, entretanto para quem deseja uma massagem bem no ego e desapegar da carteira, pode ser interessante. Clima bacana para aquela lua-de-mel, entre amantes e apaixonados.

Pedi o camarão empanado na tapioca com purê de batata doce e vinagrete de gengibre. Gostoso? Sim, e foi o primeiro dia que me alimentei por lá, a massa é leve e delicada, deu um resultado semelhante ao tempurá, mas de uma leveza incrível! Confesso que gostei bastante, mas fui surpreendida em Cambury – continue lendo este post.

O custo benefício: é caro (R$98) e eles se posicionam como alta gastronomia. Fui impressionada em meu prato pelo mix de sabores. Mas, a carne seca com abóbora, deixou a desejar. Achei caseira por demais:

tie-abobora-carne-seca-comidinhas

Enformado de carne seca e abóbora R$56

Confira o cardápio. Achei um quê de preços salgados. Paga-se muito mais pela linda decoração e ambiente. Vale levar para marcar presença num encontro.

tie-1 tie-2 tie-3

Por falar em Barra do Sahy, por lá, recomendo a deliciosa Praia da Baleia, que tem areia firme, com extensão ampla e linda paisagem. Gostei muito mais do que a praia da Barra do Sahy. Por lá, tem aula de surf e stand up. Para correr, caminhar e apreciar a vista, também recomendo. Para vocês saberem, a praia é tomada por condomínios e a infra fica toda pela Barra do Sahy. Gosto muito dessa praia pela manhã! Vale a pena ir cedinho ver o nascer do Sol.

7:00 #bomdia #saosebastiao #litoralnorte #praiadabaleia #southamerica #brazil #brasil #sp #saopaulo

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

Cambury e o Taioba Gastronomia

Depois, seguindo geograficamente temos Cambury. A praia é superfamília, areia fofa, mas com infra melhor que a Barra do Sahy (#FarofeiraModeOn). Lá por outras vezes, fui em alguns restaurantes que paguei caro e fiquei bem decepcionada. Aí, eis que aparece o Nelson Antoine vendo meus posts e manda uma dicona: o Taioba Gastronomia. É um restaurante nada turístico – no sentido de não engana turista, visto que ele fica no sertão de Cambury, não é próximo da praia e tem excelente custo-benefício. É preciso pegar o carro e cair de novo na estrada, e ir em direção contrária da praia.

O local é simples e charmoso, com cadeiras em local aberto, com vários painéis turísticos daqueles de se colocar a cabeça e tirar fotos. Ambiente de família e jovem.

Para começar, a primeira gentileza: a equipe do chef Eudes, nos enviou uma cortesia de bolinho de Taioba, planta típica da região. Com um gosto neutro, a folha agrada. Uma ótima entradinha, e bem diferente do que estamos acostumados de fritura. Acharam estranho, mas eu gostei!

taioba-chef-eudes

Fui de prato do dia, um de-li-cio-so grelhado de mariscos, camarão e lula com quinoa e mandioquinha. Fazia tempo que não era surpreendida com comida caiçara. Diferente, arrojado e sabor que condiz com a atualidade gastronômica. Essa belezinha, por R$68

Para os mais clássicos, PF do dia com pescada frita, arroz com taioba, pirão e banana da terra assada:

taioba-pf-do-dia-aventuras-gastronomicas-romy-arita

R$42 no PF da casa

Confira as fotos do cardápio do Taioba em Cambury. Nesse dia que fui, a Nina Bastos, do Jiquitaia apareceu por lá. No insta deles dá para ver o porquê é tão conhecido pelos foodies. O Master Chef Fogaça, também é fã da cozinha do Chef Eudes!

cardapio-taioba-2017 chef-eudes-taioba-camburi-cambury

Boiçucanga: o local esquecido

Achei importante passar por aqui e falar um pouco de Boiçucanga. Lembro que fui algumas vezes pela praia, que tem (tinha?) uma infra muito boa. Quando namorava, vivia pelas pousadas por lá, como a Pousada Canto Verde, que tinha uma linda ponte pencil, café da manhã farto e infra muito boa. Além da Vila da Mata, charmosa cheia de bangalôs para descansar e apreciar o clima. Super romântico e aconchegante. Veja a ponte da Canto Verde que linda era!

Ponte pencil da Pousada Canto Verde

Pôr do sol de Boiçucanga

Não sei como estão esses lugares hoje em dia. Estive vendo minhas redes sociais, e fui entre 2013 e 2015. Gostava muito de usufruir da simpática Sebasthiana com drinks servidos em baldinhos e pf (triviais como dizem por lá) a ótimo custo-benefício e trilha sonora com muito Beatles. Lembro que era comida caseira, sincera e bonitinha. Outro lugar que passei algumas noites bebendo e comendo muito bem, foi o Caravela Restaurante, à beira mar recebiam muito bem famílias e casais, à noite, clima intimista com música ao vivo. Não sei como está agora em 2017. O que me entristeceu, foi que dei um pulinho por lá, e senti o distrito meio caído. Algumas lojas fecharam, muita sujeira na rua e um clima meio hostil, visto que antes não tinha nada disso. Fiquei bem chateada, visto o potencial e dedicação das pessoas. Era um destino super amigável e com infra muito boa. Uma pena! Se souberem de mais infos, me falem por aqui! Estou torcendo para que as coisas melhorem por lá! 🙂

Portanto, Litoral Norte tem muitas descobertas para se fazer. E você, tem alguma sugestão? Quem sabe ainda esse ano piso por areias brancas e mares translúcidos?

Informações dos locais citados:

Tiê Restaurante e Pousada

Estrada do Camburi 696, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865-2204

Taioba Gastronomia

Rua Tijucas, 55, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865284

Sebasthiana

Avenida Walkir Vergani 607, Boiçucanga, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865 179

Caravela Restaurante

Avenida walkir Vergani 675, Boiçucanga, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865-154

Feira dos Campeões Comer & Beber Veja São Paulo

Jun Sakamoto, Manoel Beato, Arnaldo Lorençato e Alexandre Costa em Workshop no Comer & Beber da Veja São Paulo

O Aventuras Gastronômicas passou pela Feira dos Campeões Comer & Beber da Veja São Paulo e conta mais o que está rolando neste evento no Jockey Clube de São Paulo. Até o dia 12/03, domingo, você tem a possibilidade de experimentar, e por que não, mixar comes e bebes das melhores casas de São Paulo, segundo o veículo.

Jun Sakamoto, Manoel Beato, Arnaldo Lorençato e Alexandre Costa em Workshop no Comer & Beber da Veja São Paulo

Jun Sakamoto, Manoel Beato, Arnaldo Lorençato e Alexandre Costa em Workshop no Comer & Beber da Veja São Paulo

Para entrar no evento é necessário ingresso, que já estão esgotados. Entretanto, há a possibilidade de participar de workshops muito bacanas com os melhores restaurateurs, chefs e personalidades da Gastronomia e usufruir do espaço com preços convidativos. Bem em clima de Foodtruck mas com toda expertise dos vencedores. Confira neste link se ainda tem alguma vaguinha!

Workshop Salvatore Loi e Faixa Azul

Começamos pela última quinta-feira, e participamos de um workshop da Faixa Azul com Salvatore Loi. Fizemos uma tuille de parmesão. Quem acompanhou nossas stories viu parte do processo.

O chef serviu pennete ao limão com ragu de camarão e legumes com tuille de queijo parmesão. Veja a Expectativa X Realidade! Adivinha qual é o nosso e qual é do Salvatore Loi, ou da Romy?

Salvatore Loi Veja Sao Paulo

Feira da Veja São Paulo Comer & Beber

Voltamos na sexta e chegamos mais cedo. O esquema é estilo dinheiro do Banco Imobiliário, você compra com os moços sinalizados como Caixa e também em alguns pontos espalhados pelo evento. Fique tranquilo, aceitam dinheiro, débito e crédito!

Vale a dica que fizemos de nosso Stories! Tiramos foto de todos os cardápios. Assim você já pode se planejar para escolher a comida e bebida que deseja experimentar! #FicaDica

Eu e a Midori compramos R$100 e comemos bem! Nossas escolhas foram do Nino Cucina:

17273905_1469730629718485_1721493473_o

Arancini Pomodoro (4 unidades) R$15

17269506_1469730709718477_745450452_o

Cavatelli com ragu e linguiça R$25

17273204_1469730646385150_318104301_o

Rigatoni à carbonara R$20

Depois disso, peguei um Negroni no Frank Bar por R$25,00, veja o vídeo! Ps: A Casa do Porco foi para mostrar o tamanho do bicho!

E a Midori escolheu uma sobremesa, o Explosão de Chocolate da Marilia Zylbersztajn por R$15,00 que é uma torta por completa de chocolate!

Era muito difícil ver tantas delícias. Mas nossas escolhas foram baseadas pelo preço. Por exemplo, Napoli Centrale já é um local mais em conta, e acredito que podemos comer em outro momento, no local original. O Porco San Zé da Casa do Porco saia por R$30,00, prato que na área do grab and go sai por volta de R$50,00. Os excelentes drinks do Frank saem no Maksoud por R$33 cada, na feira R$25.

Acredito que Rubayat, Fasano também são oportunidades bacanas de se experimentar. Passamos reto pelos lanches e hamburgers, para vocês terem ideia. Para quem gosta de japonês o Hirá, que é um excelente restaurante tinha lámen de verão – gelado – por R$20, sendo que no restaurante a média é entre R$40 – 50 o lámen.  Já um sorvete da Davvero na feira está entre R$10 e R$15, preço semelhante ao da unidade do Itaim Bibi. Não compensa pois não tinha aquela casquinha e biscoito maravilhosos, que são marcas registradas da sorveteria! Ajuda, Veja São Paulo!!

Confesso que ficamos muito em dúvida no que pedir, mas esse foi nosso critério! Vale cada um escolher a sua preferência. Duro gostar de muita coisa, não é mesmo :p?!

Workshop Cacau Show e Fasano

Por último, participamos do Workshop da Cacau Show, com o fundador Alexandre Costa e Fasano, com o sommelier Manoel Beato. Foi uma experiência para entender harmonização de vinhos com chocolates. Veja só nossos stories !

Portanto, ainda tem uma oportunidade de entrar no evento da Veja São Paulo. E caso tenha já o ingresso, siga as dicas! Outro informação essencial, vá em clima casual. Lá é um espaço aberto com grama e bem descontraído, conforto é a palavra de ordem! Nos workshops, vá com roupa fresca, pois imagine muitos fogões funcionando ao mesmo tempo! Está bem quente!

Divirta-se e depois nos conte o que achou!

Informações:

Onde: Jockey Club. Avenida Lineu de Paula Machado, 1071, Cidade Jardim
Quando: 9 a 12 de março Horário: quinta a sábado, 12h às 23h; domingo, 12h às 21h
Entrada: R$ 20,00 (meia) e R$ 40,00. Grátis para crianças de até 12 anos
Aulas para adultos: R$ 210,00, com direito a entrada grátis
Aulas para crianças: R$ 310,00, com direito a um acompanhante adulto e entrada grátis para ambos

Compras: foodpass.com.br/vejasp

Estabelecimentos participantes do evento da Veja São Paulo: Bar do Jiquitaia, Bar do Luiz Fernandes, Bistrot Parigi, Cadillac Burger, A Casa do Porco Bar (Bar da Dona Onça), Confeitaria Marilia Zylbersztajn, Davvero Gelato Tradizionale, Eataly Rossopomodoro, Fasano, Frangó, Frank Bar, Guarita, Hirá Ramen Izakaya, Jardim de Napoli, Junji Sakamoto, La Guapa Empanadas, Mocotó, Napoli Centrale, NB Steak, Nino Cucina, Padaria da Esquina, Rubaiyat, Shimura Pães e Doces, SubAstor, Taberna da Esquina, Town Sandwich Cº e Tradi.

BH e as tentações mineiras

Feliz 2017, pessoal! Sejam bem-vindos de volta! Pois venho com review bacana!

Passaram bem de ano novo? Espero que sim! Nesta virada fui a Belo Horizonte e conto aqui mais sobre algumas tentações mineiras! Para quem não sabe, eu tenho um carinho especial por Minas Gerais. Morei por algum tempo em Alfenas, sul do Estado, tenho muitos amigos mineiros, e, gente, convenhamos os mineiros são pessoas boníssimas, educadas e supergentis! Ôôô Minas Gerais, quem te conhece, não esquece jamais!

Atenção, o texto a seguir, utilizei gírias mineiras, o glossário fica ao final do texto 😉 

Tenho um AMIGÃO que é de BH. Eu e uns amigos de São Paulo ficamos hospedados na casa dele. Como sempre, a hospitalidade e gentileza mineira está em todo lugar. Desde a tia da limpeza ao gerente de loja, e a gentileza dele vir me buscar no aeroporto na pqp. A todo momento me senti à vontade e acolhida! Obrigada <3

Vale muito a pena conhecer MG e para quem não sabe, Minas tem o território equivalente a França! E a quantidade de cidades curiosas, é muito especial! Como dizem meus amigos mineiros, as cidades “se acham” e cada uma é terra de alguma coisa. Por exemplo, Muzambinho, terra de Milton Neves, é terra do doce de leite. Pouso Alegre, do morango. Alfenas, café e cidade universitária, carinhosamente chamada de Alfêmeas, rs. Juruaia, terra da Lingerie (!!!). Borda da Mata, do Pijama (!!!!). É muito curioso, e nós paulistas, sabemos como o Marketing mineiro vende, afinal um biscoito mineiro não é qualquer bolacha. Um pão de queijo – fake- paulistano não é um PDQ.

Restaurante Xapuri

Logo que cheguei no aeroporto de Confins, fui recebida por meus amigos <3. Depois fomos ao Restaurante Xapuri. Quem acompanhou o nosso Snapchat, teve oportunidade de ver como é a experiência do restaurante. Ao entrarmos no portão, à direita, você vê uma simpática lojinha de artesanato mineiro. Tem de tudo um pouco, como redes, toalhas de mesa, instrumentos musicais, estátuas. Claro, tinha também, muitos itens com Ágata, de xícaras a chaleiras. É um local semelhante a lojinha do Lá da Venda, na Vila Madalena em Sampa.

15878535_1406647259360156_824858276_o 15909106_1406647222693493_1784738437_o

A caminhada no restaurante Xapuri é curiosa, em uma descida, é possível ver várias mesinhas com ares de fazenda e picnic de família. Superagradável e aconchegante! “Nuuuu, ó só procê vê, que belezin é”. Com direito a fogão, ou melhor, um fugão a lenha, gigante e com aroma saboroso! O local tem decoração de fazenda, com móveis rústicos, paredes alegres com pratos e lembranças de viagens pelo Brasil. O local conta história com açúcar e muito afeto, todo o amor que Minas pode oferecer.

Sentamos numa mesinha que cabiam seis pessoas. Começamos pelo aperitivo clássico: torresmo de barriga de porco, ou como gourmetizamos em SP: pancetta pururuca. Peças generosas, vieram oito. Nos lambuzamos de pimenta e gordura. É pesado sim, e já deu uma animada com a cervejinha e papo rolando solto. Uma be-le-zin de tarde, só poderia estar feliz com tanta delícias de todas as partes: sabores e amores!

Minas, né? 🐽🐽🐽 Toucinho de barriga R$ 38,90 no Xapuri, em BH 📷 @romysgallery

A photo posted by comidinhas (@comidinhas) on

Nunca me conformei, mas fui descobrir o pastel de angú SÓ no Xapuri. Angú nada mais é que a massa de polenta, com formato de risoles, recheado de queijo, carne seca ou carne moída. Por termos uma vegetariana a mesa, pedimos de queijo. Saboroso e calórico digno das perdições mineiras.

15878564_1406647216026827_274162345_o

um print do vídeo de nosso snap @comidinhas

Depois disso, fomos de Costelinha da Sinhá, é uma porção de costela de porco frita e bem sequinha. De acompanhamentos, generoso arroz e couve com feijão tropeiro e mandioca frita. Mais brasileiro que isso num tá tenoO trem foi bão dimais, sô! 

Mais do @xapurirestaurante 😋

A photo posted by comidinhas (@comidinhas) on

Só tinha espaço para café, e precisávamos e muito do cafézin mineiro. A culpa de comer um docinho como doce caseiro de abóbora, pega marido, ambrosia, doce de leite ou de goiaba, num démo conta não, fraga?

Portanto, quem quiser se deliciar em BH recomendo de primeira o restaurante Xapuri! Depois disso, se o trem guentá, vá para encher o caneco na Savassi à noite. Muitos barzinhos deliciosos, com várias tribos harmonizadas num local só. A moça do barzinho, para vocês terem ideia, não tinha um pedido meu. Ela foi no concorrente comprar para mim! Me digam, quando isso aconteceria em São Paulo?!?!  E outra, conheça o mercadão de BH, tem muitas tentações mineiras e muitos outros barzinhos, com muitas lembranças! Vale a pena!

Minas é bão dimais, e só tenho a agradecer a essa terrinha ter unido tanta gente boa junto, valeu Alfenas! <3

Glossário

  • Nuuu, Nóóó, Niii = Nossa Senhora da Aparecida. Sendo o Núu o mais forte, nóó é óó, nii= ok
  • Bão dimais = Bom demais! Amei!
  • Fugão = Fogão, tudo vira sonoridade com u. Assim como teatro, se diz “tchiatro”
  • Guenta = Eles dizem você consegue aguentar? Por ser muito tenso, muito pesado
  • Fraga = Saca? entendeu?
  • Cafézin, belezin = Cafézinho, belezinha, tudo para o mineiro é afetivo e diminutivo
  • Trem = Você pode se referir a qualquer coisa como trem. Tudo é trem.
  • Teno = melhor que está tendo!
  • Ó só procê vê = olhe só para você ver, olhe, veja. Tudo fica mais curto nas frases mineiras
  • PDQ = Pão de queijo , eles falam a sigla, ahahah! Tentação mineira clássica!
  • Alfêmeas = apelido carinhoso dos alfenenses. Lá é uma cidade universitária com muitos cursos de saúde, como Enfermagem, Medicina, Odonto, Farmácia – a  cidade fica lotada de meninas. Lá tem o Restaurante do Ali – onde deixei um recado com muito carinho e ele enquadrou <3 , Velório do Carneiro, Carnalfenas e até mesmo, parada Gay!

Informações dos Locais

XAPURI

Tel: (31) 3496-6198

Rua Mandacaru, 260 – Pampulha, Belo Horizonte / MG – CEP: 31370-270

Terça a sábado: 12h às 23h. Domingo e feriados: 12h às 18h

MERCADO CENTRAL DE BELO HORIZONTE

Tel:(31)3274-9497 / (31) 3274-9434

Av. Augusto de Lima, 744 – Centro, Belo Horizonte/ MG – CEP: 30190-922
Segunda a sábado: 7h às 18h. Domingos e feriados: 7h às 13h.