Archive of ‘por aí­’ category

Bar do Jiquitaia

Obs: post para maiores de 18 anos

Vocês já devem ter lido o texto que falo do restaurante do Jiquitaia. Dessa vez, escrevo sobre o bar de Marcelo Corrêa Bastos e sua irmã, Nina Corrêa Bastos, responsável pelos drinks da casa.

É possível encontrar sanduíches e porções para petiscar, diga-se de passagem, petiscos fora do comum. Talvez o mais parecido com a comida de boteco tradicional é o jiló frito e torresmo. Diga-se de passagem, alguns elementos mineiros muito bem executados em solo paulistano, coisa difícil de se achar por aqui!

O que pedir no Bar do Jiquitaia?

Entre as ruas próximas da Paulista, Frei Caneca e Augusta, lado centro, é possível ter uma bela experiência gastronômica. No local, o térreo é responsável pelo restaurante e ao subir as escadas é possível visualizar uma sala com mesa compartilhada e um pequeno balcão.

No cardápio, oferecem finger food como o excelente jiló frito e o saboroso hamburguer de porco. É o tipo de combinação que se lambe os beiços e um sonho meu seria ter esse tipo de comida vendida a larga escala, feito combo do Mcdonald’s! Certamente comeria sem titubear!

jiquitaia-hamburguer-porco

Para bebericar, recomendo o drink Jerezana, que começa amargo, depois cítrico e termina doce, nunca tomei algo tão surpreendente! Não sou especialista de drinks, mas confesso que foi um privilégio experimentá-lo!

Cheers #jerezana #boulevardier #gineit #jiquitaia

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

O Negroni da casa é mais saboroso que o Boulevadier, e recomendo para paladares como o meu que adoram amargo. Robusto, seco e um drink digno da vida adulta amarga.

Negroni ❤️ #negroni #mixology #jiquitaia #jiquitaiarestaurante #drink #saopaulo #sp

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

Se quer algo mais doce e leve, vá com o drink entitulado Detox. Esse não tem couve e não tem nada de #NoPainNoGain. É só amor, de verdade! Bem leve, delicado e saboroso.

Uma outra pedida para paladares favoráveis ao doce, a excelente cerveja Gasoline Soul da Morada Etílica. Mesmo quem não gosta de cerveja, vai curtir essa:

Gasoline soul.❤️❤️❤️❤️ #jiquitaia #gasolinesoul

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

Aviso de antemão que pelo bar ser pequeno, com capacidade para cerca de 20 pessoas, recomendo chegar cedo. Mas, caso deseje um local mais tranquilo, desça as escadas. É permitido pedir o cardápio do bar no térreo do restaurante. Entretanto, o contrário já não é possível.

Fui em um aniversário e o comentário de adultos jovens é que o local era muito mais perfil de senhores e famílias, não muito adequado para celebrar em grupo. Entendo esse ponto de vista pois para quem não conhece e está acostumado a frequentar aniversários em bares ou balada, pode achar um local estranho para se festejar. Mas, posso falar? Nada como qualidade, boa conversa e excelente companhia…faz qualquer noite ficar mais animada comparada a uma balada-cara-com-gente-mal-educada-e-pessoas-que-te-empurram.

Por favor, menos carão e mais sinceridade! E para mim, o Jiqui (íntima) é um dos locais mais sinceros de São Paulo. Você investe (sim, porque comida gostosa é investimento!), e, sai feliz!

Contato

Jiquitaia
Rua Antonio Carlos, 268. CEP: 01309-010
Telefone: (11) 3262-2366
Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta das 12h às 15h
Terça à Sexta das 19h às 23h30
Sábado das 12h às 23h30

Peppino Bar: Excelente Executivo

Se procura uma opção bacana para almoço executivo no Itaim Bibi, recomendo de olhos fechados o Peppino Bar. Além de bebidinhas à tarde ou à noite, vale a pena uma visita ao cardápio do almoço, que vai do 12:00 às 15:00.

Sobre o ambiente

Por se tratar de um ambiente mais casual, com banquetas de madeira, espaço médio – não cabe muitas pessoas e não possui cadeiras ultra confortáveis – vale quebrar um pouco o gelo corporativo do bairro e ter a chance de provar a cozinha de alta qualidade. O chef Rodolfo di Santis, do também premiado Nino Cucina é responsável pelas delícias.

Nossa experiência

Fui com minha chefe em uma sexta, 12:30 e queríamos algo para acalentar coração, fome e diminuir o stress. Precisávamos de um carinho que uma boa refeição poderia oferecer. Para minha surpresa, não havia fila.

Entramos contentes e atentas ao ambiente moderninho, com cara de Pinheiros e nada tradicional encontrado no bairro do Itaim Bibi. O público? Um pouco de tudo, nós, meras mortais curiosas, engravatados executivos, madames enfeitadas e jovens adultos descolados.

Pedimos então o menu, que dá direito a escolher uma carne e um acompanhamento. Ela foi de bife a cavalo (que confesso que babei de ver de tão bonito que era) acompanhado de polenta e eu fui de galeto com abobrinha assada. As carnes estavam bem executadas, no caso do bife, perguntaram o ponto de preferência, detalhe que acho essencial para um bom atendimento em qualquer restaurante que se preze. Uma curiosidade: na casa, havia um grande forno, bonito e bem grande. Acredito que grande parte das comidinhas são forneria das boas e pretendo retornar com calma no happy hour.

Compartilhamos no instagram @comidinhas e o Peppino compartilhou, olha que legal:

Por volta de R$40 você come excelente comida, alto padrão e muito saborosa. Novamente, diferente de muito lugar no Itaim (tipo o Side que dá carne sem perguntar o ponto e vem MUITO passada e decepciona pelo custo benefício) que é lindo, sofisticado ou descolado, mas tem comida de se questionar.

Os utensílios como pratos são bem rústicos, o que dá um charme com a madeira do bar, com itens bem caseiros. Comida feita com coração, uma delícia e recomendo de olhos fechados!

Depois disso fomos com uma sobremesa que nos encantou. Doçura na medida, doce fino, italianíssimo, com ingredientes que fazem a diferença. Pela apresentação e o cuidado dele, já é um charme! O cucciolone, resumidamente um sanduíche de bolachinha com amêndoas, um pouco amanteigada ao meu ver, leve com sorvete de creme de recheio e uma saborosa calda de chocolate, fina, leve, carinhosamente colocada pelo cliente…foi de uma finesse… mas é de perder a pose e a vontade é de limpar o prato! #soudessas

cucciolone-peppino-bar-aventuras-gastronomicas-romy-arita

Portanto, confira sim o excelente almoço quando tiver oportunidade, vale a visita ao Peppino Bar!

Endereço e contato

Peppino Bar

Seg a Sex: 12h as 15h (almoço) 18h as 02h (noite)
Sab: 13h as 02h (integral)
Domingo : Fechado

Rua João Cachoeira, 175,
Itaim Bibi – São Paulo – SP

 

Litoral Norte de SP: Barra do Sahy, Cambury e Boiçucanga

Depois de 3 feriados in a row, venho aqui com algumas dicas de locais que já conhecia e fui pingando pelo litoral paulista. São Sebastião possui várias praias, e logo ali, um pouco depois da Riviera – à esquerda – é possível encontrar mar de águas claras, clima caiçara alegre que nem parece o estilo cinza do paulista. Nas roupas, alegria, na decoração e arquitetura em geral, aconchego. Gosto muito mais do litoral norte comparado ao litoral sul (Sorry, Santos), e comento aqui um pouco das minhas impressões.

Começo dos que vieram pela estrada Mogi das Cruzes-Litoral, e começo pela Barra do Sahy. Praia com algumas barraquinhas (sem quiosques), areia fofa e mar bravo. É possível se hospedar por lá em pousadinhas charmosas. A que fiquei, em quesitos gastronômicos – vide café da manhã – não recomendo. Mas, pela vizinhança, você encontra a charmosa pousada e restaurante Tiê. Dei uma olhadinha nos quartos, e caso volte para a Barra do Sahy, certamente. Uma dica esperta: para quem se hospedar nela, tem desconto no restaurante.

Restaurante Tiê na Barra do Sahy

Como postado em nosso Instagram, conheci o restaurante Tiê andando pela região. Gostoso, com clima sofisticado e de muito bom gosto. Achei caro, confesso, entretanto para quem deseja uma massagem bem no ego e desapegar da carteira, pode ser interessante. Clima bacana para aquela lua-de-mel, entre amantes e apaixonados.

Pedi o camarão empanado na tapioca com purê de batata doce e vinagrete de gengibre. Gostoso? Sim, e foi o primeiro dia que me alimentei por lá, a massa é leve e delicada, deu um resultado semelhante ao tempurá, mas de uma leveza incrível! Confesso que gostei bastante, mas fui surpreendida em Cambury – continue lendo este post.

O custo benefício: é caro (R$98) e eles se posicionam como alta gastronomia. Fui impressionada em meu prato pelo mix de sabores. Mas, a carne seca com abóbora, deixou a desejar. Achei caseira por demais:

tie-abobora-carne-seca-comidinhas

Enformado de carne seca e abóbora R$56

Confira o cardápio. Achei um quê de preços salgados. Paga-se muito mais pela linda decoração e ambiente. Vale levar para marcar presença num encontro.

tie-1 tie-2 tie-3

Por falar em Barra do Sahy, por lá, recomendo a deliciosa Praia da Baleia, que tem areia firme, com extensão ampla e linda paisagem. Gostei muito mais do que a praia da Barra do Sahy. Por lá, tem aula de surf e stand up. Para correr, caminhar e apreciar a vista, também recomendo. Para vocês saberem, a praia é tomada por condomínios e a infra fica toda pela Barra do Sahy. Gosto muito dessa praia pela manhã! Vale a pena ir cedinho ver o nascer do Sol.

7:00 #bomdia #saosebastiao #litoralnorte #praiadabaleia #southamerica #brazil #brasil #sp #saopaulo

A post shared by Romy Arita (@romy.arita) on

Cambury e o Taioba Gastronomia

Depois, seguindo geograficamente temos Cambury. A praia é superfamília, areia fofa, mas com infra melhor que a Barra do Sahy (#FarofeiraModeOn). Lá por outras vezes, fui em alguns restaurantes que paguei caro e fiquei bem decepcionada. Aí, eis que aparece o Nelson Antoine vendo meus posts e manda uma dicona: o Taioba Gastronomia. É um restaurante nada turístico – no sentido de não engana turista, visto que ele fica no sertão de Cambury, não é próximo da praia e tem excelente custo-benefício. É preciso pegar o carro e cair de novo na estrada, e ir em direção contrária da praia.

O local é simples e charmoso, com cadeiras em local aberto, com vários painéis turísticos daqueles de se colocar a cabeça e tirar fotos. Ambiente de família e jovem.

Para começar, a primeira gentileza: a equipe do chef Eudes, nos enviou uma cortesia de bolinho de Taioba, planta típica da região. Com um gosto neutro, a folha agrada. Uma ótima entradinha, e bem diferente do que estamos acostumados de fritura. Acharam estranho, mas eu gostei!

taioba-chef-eudes

Fui de prato do dia, um de-li-cio-so grelhado de mariscos, camarão e lula com quinoa e mandioquinha. Fazia tempo que não era surpreendida com comida caiçara. Diferente, arrojado e sabor que condiz com a atualidade gastronômica. Essa belezinha, por R$68

Para os mais clássicos, PF do dia com pescada frita, arroz com taioba, pirão e banana da terra assada:

taioba-pf-do-dia-aventuras-gastronomicas-romy-arita

R$42 no PF da casa

Confira as fotos do cardápio do Taioba em Cambury. Nesse dia que fui, a Nina Bastos, do Jiquitaia apareceu por lá. No insta deles dá para ver o porquê é tão conhecido pelos foodies. O Master Chef Fogaça, também é fã da cozinha do Chef Eudes!

cardapio-taioba-2017 chef-eudes-taioba-camburi-cambury

Boiçucanga: o local esquecido

Achei importante passar por aqui e falar um pouco de Boiçucanga. Lembro que fui algumas vezes pela praia, que tem (tinha?) uma infra muito boa. Quando namorava, vivia pelas pousadas por lá, como a Pousada Canto Verde, que tinha uma linda ponte pencil, café da manhã farto e infra muito boa. Além da Vila da Mata, charmosa cheia de bangalôs para descansar e apreciar o clima. Super romântico e aconchegante. Veja a ponte da Canto Verde que linda era!

Ponte pencil da Pousada Canto Verde

Pôr do sol de Boiçucanga

Não sei como estão esses lugares hoje em dia. Estive vendo minhas redes sociais, e fui entre 2013 e 2015. Gostava muito de usufruir da simpática Sebasthiana com drinks servidos em baldinhos e pf (triviais como dizem por lá) a ótimo custo-benefício e trilha sonora com muito Beatles. Lembro que era comida caseira, sincera e bonitinha. Outro lugar que passei algumas noites bebendo e comendo muito bem, foi o Caravela Restaurante, à beira mar recebiam muito bem famílias e casais, à noite, clima intimista com música ao vivo. Não sei como está agora em 2017. O que me entristeceu, foi que dei um pulinho por lá, e senti o distrito meio caído. Algumas lojas fecharam, muita sujeira na rua e um clima meio hostil, visto que antes não tinha nada disso. Fiquei bem chateada, visto o potencial e dedicação das pessoas. Era um destino super amigável e com infra muito boa. Uma pena! Se souberem de mais infos, me falem por aqui! Estou torcendo para que as coisas melhorem por lá! 🙂

Portanto, Litoral Norte tem muitas descobertas para se fazer. E você, tem alguma sugestão? Quem sabe ainda esse ano piso por areias brancas e mares translúcidos?

Informações dos locais citados:

Tiê Restaurante e Pousada

Estrada do Camburi 696, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865-2204

Taioba Gastronomia

Rua Tijucas, 55, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865284

Sebasthiana

Avenida Walkir Vergani 607, Boiçucanga, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865 179

Caravela Restaurante

Avenida walkir Vergani 675, Boiçucanga, São Sebastião, Estado de São Paulo 11600-000, Brasil

Tel: 12 3865-154

Jojo Ramen: Japonices em São Paulo

O modismo das casas de ramen emergiu em São Paulo. A cidade vive um momento japa-friendly. Seja pelo descolado Tantan, o tradicional Aska, eis que surge no coração paulistano, Cerqueira Cesense, o Jojo Ramen.

Quando se tem o primeiro contato, um jovem brasileiríssimo retira seu nome e anota seus dados num aplicativo para controlar a espera. Mesa para dois, espera de 40 minutos. Noite fria e chuvosa, casa lotada. Muita expectativa. Passado o tempo, avisam o nosso lugar: dois lugares no balcão. Bacana! Penso eu, poderei ver todo o processo de como tudo é produzido.

balcão-jojo-ramen

Balcão do Jojo Ramen

Habitués da casa? Japoneses originais de fábrica visto a proximidade ao consulado, localizado no Top Center, próximo à Faculdade Cásper Líbero e ao clássico e excelente Izakaya Bueno. Sinal verde para o tradicionalismo!

Cardápio do Jojo Ramen.

Cardápio do Jojo Ramen

Eu e minha companhia pedimos o mesmo prato, Shoyu Jojo Ramen. A fome está animada e pedimos também uma porção de karaague, frango frito na farinha de katakuriko, que em português é fécula de batata.

Karaague - faltou um tempero a mais

Karaague do Jojo Ramen

Rapidamente a entrada chega e logo em seguida, os lámens. Karaague batido, nada demais: faltou um pouco de tempero, o mesmo posso dizer do molho no acompanhamento. Senti falta de pimenta, ou talvez um acompanhamento agridoce. Um kimchi nos salvaria.

Penso eu, acho que estou com paladar favorável a temperos fortes. Ou comi a vida inteira errado. Impossível, meus avós vieram de Tóquio, donos de fábrica de doces e ensinaram que molho bom é saboroso sim, e que o elegante é ser translúcido.

Depois vou ao shoyu ramen. Suave, até demais. Cor bonita, transparente e delicado. O macarrão é de excelente qualidade, ovo cozido ao ponto com gema molinha, bem gostoso. Mas, novamente, caldo insosso. Expectativas totalmente quebradas. O molho diz muito sobre o lugar.

shoyu-ramen-jojo

Portanto, um pouco decepcionada. Mas, na próxima, pedirei algo mais forte como o missô – segundo o garçom o mais pedido – ou então o Missô Kará que tem na receita pimenta coreana.

Como todo japonês, os clientes comem e vão embora. Diferente do brasileiro que curte uma conversa e beberica aos poucos. O sistema é Narcisa Tamborindeguy “senta, come e vai embora!”, afinal a fila está grande lá fora!

Preços:

  1. Shoyu Jojo Ramen: R$ 32
  2. Karaague – 4 unidades: R$ 15

Jojo Ramen
Rua Dr. Rafael de Barros, 262
Horário de funcionamento: segunda a sábado, das 18h30 às 22h

Massa Na Rua: Opção barata na Paulista

Nos arredores do Baixo Augusta e Paulista, uma opção barata e saborosa: Massa na Rua. O pastifício Primo, uma das melhores rotisseries de São Paulo oferece qualidade, rapidez e um espaço totalmente despojado. O foco do pequeno endereço são as massas e os molhos. O funcionamento é semelhante ao Spoletto, entretanto, a massa é MUITO mais saborosa e caseira. Digno de muita nonna por aí!

Cardapio-massa-na-ruaOlha só como o Massa na Rua é: prático e rápido!

O espaço é bem pequeno para quem resolve comer por lá mas tem também um esquema de “to go”. A embalagem mantém a comida fresquinha e conserva bem o calor! E, caso estranhe talheres e copos descartáveis, aconselho levar para casa ou trabalho e curtir a marmitinha!

A massa é ao ponto e os molhos são frescos. O molho Funghi parecia ser fresco, feito no dia.

ravioli-funghi-massa-na-ruaO meu favorito do Massa na Rua: Ravioli de cordeiro ao molho funghi. Para acompanhar um pãozinho italiano e parmesão de verdade.

tomada-wifi-massa-na-rua

O ambiente é vermelho o que incomoda um pouco, mas é bem no intuito de se ter uma refeição rápida. Mas, visto o ritmo da cidade, o Massa na Rua também é amigável e pode-se acessar o wi-fi, além de ter tomadas nas mesas e bancadas. Dá para acessar aquele e-mail urgente, caçar Pokémon e caçar no Happn também.

Brincadeiras à parte, divirta-se!

Massa na Rua
Rua Peixoto Gomide, 63 – Próximo a Rua Augusta e Frei Caneca.
Telefone: (11) 3231-0350
http://pastificioprimo.com.br/site/massa-na-rua-por-primo/